Indicações Abril 2018

Alrely 04/12/2018

Oi genteee!!

Esse mês eu trago uma onda mais de romance, aos que gostam de uma onda mais melosa, um pouco triste, mas com uma variada no enredo. São livros que guardo pra mim sua essência.

Vamos começar com Simon vs. A agenda Homo Sapiens, escrito por Becky Albertalli e publicado em 2016 pelapage editora Intrínseca, adaptado este ano para o cinema sendo que, trocou de capa e de título. O livro conta a história de Simon, um garoto de dezesseis anos, gay, que todo mundo desconhece esse fato, e decide que o drama “sair ou não do armário” pode ficar pra depois. Sua postura começa a mudar quando Martin, colega da escola, descobre uma troca de e-mails de Simon com Blue – um garoto misterioso. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos ou pior, a sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar.
O garoto avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu e se apaixonou. Nota: São situações muito delicadas tratadas de um jeito muito bem humorado e com naturalidade, explorando a percepção de problemas e dilemas adolescentes, os quais todos nós já enfrentamos para nos encontrar.

Como estou numa onda muito romântica, o próximo livro é o lindo Eleanor & Park, escrito por Rainbow Rowell e publicado em 2014 pela editora Novo Século. Vizinhos, dezesseis anos, jovens tão parecidos mas com realidades totalmente diferentes. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas transferirconsegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e se acha gorda, é a filha mais velha de uma problemática família. Encontro diário é no ônibus escolar, sem palavra alguma trocada no início, mas começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de onda dos amigos e a desaprovação da família impede que os dois se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths e alguns planos de fulga. Nota: tem momentos engraçados, tristes, sarcásticos e acima de tudo, geek. Fala sobre o primeiro amor, como tudo se torna intenso e faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo. A narrativa é dada principalmente à Eleanor, tendo bastante responsabilidade com os irmãos e adquirindo raiva ao namorado de sua mãe.

Por último mas não menos importante, eu trago a vocês um dos livros que mais me transferir (2)impactou na vida (até agora). Matando Borboletas, escrito por M. Anjelais, e publicado pela editora Verus, tem uma das histórias mais tensas que já li. O primeiro amor, a inocência perdida, e a beleza que pode ser encontrada até nas circunstâncias mais perversas. Sphinx e Cadence, prometidos um ao outro na infância e envolvidos na adolescência. Sphinx é meiga, compassiva, comum. Cadence é brilhante, carismático e doente. Na infância, ele deixou uma cicatriz nela com uma faca só para ver o que aconteceria em seguida. Agora, conforme a doença de Cadence progride, ele se torna cada vez mais difícil de lidar. Ninguém sabe ainda, mas o garoto é incapaz de ter sentimentos. Sphinx quer continuar leal a ele, mas teme por sua vida a cada encontro. O relacionamento entre os dois passa por muitas reviravoltas, entre diálogos e olhares. Nota: no livro nao especifica qual doença o garoto sofre, mas pelo que eu entendi, ele é um psicopata, feri as pessoas com atos e palavras, princialmente, em troca de reações as quais ele desconhece. É bem interessante o desenvolver da história, você aprende um pouco mais sobre o consciente humano.

Bem gente, é isso, espero que tenham gostado das indicações deste mês.

 

Tweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook
Veja mais!

Comente

Comente pelo site ou Facebook

  1. *