HQ – Marvel vs DC: O Conflito do Século

Penelope Guimaraes 04/25/2018

Olá pessoas da Terra 33 ou do universo 616!!! Estou trazendo nesse artigo um análise do clássico dos anos noventa em termos de História em Quadrinhos para desafiar os fãs na hora de escolher um lado: Marvel ou DC?

 

Essa disputa tem ficado cada dia mais e mais arisca e séria, impulsionada pela geração de filmes que estão sendo lançados pelas duas partes, e pela mídia que explora o fulgor dos fãs. Desde de sempre, DC Comics e Marvel tem sido principais concorrentes no mercado de histórias em quadrinhos (Comics e Graphic Novels) e apesar disso, as editoras já haviam feito colaborações anteriores com MGM’s Marvelous Wizard of OZ. Com o sucesso de suas histórias, ambas decidiram unir seus melhores heróis em histórias chamadas “conflito do século”.

 

Em 1976, somos apresentados ao primeiro crossover entre  super heróis de universos diferentes: Superman vs the amazing Spider-man: The Battle of the century, publicada pelas duas editoras em uma colaboração. Essa aventura se passa em um universo em que Nova Iorque e Metrópolis existem no mesmo mundo. Após o sucesso dos heróis favoritos da época, o evento se repete em várias outras edições com diversos outros heróis como Batman e o O Incrível Hulk e LJA/Avengers. E em 1996, as duas editoras decidiram fazer um crossover maior, agora com uma extensão bem maior de personagens do universo Marvel/DC. A minissérie quinzenal foi lançada em parceria pelas editoras e contou com três volumes, cada um com quatro edições e mais doze edições Almágama (histórias dos personagens resultados das fusões ocorridas na série), lançada no Brasil pela editora Abril, em 1997. O primeiro volume foi escrito por Ron Marz (Lanterna Verde) e Peter David (O Incrível Hulk), desenhada por Dan Jurgens (Thor) e Claudio Castellini (Quarteto Fantástico); o volume dois conta com Jackson Guice (The Flash); e o volume três foi escrito por Karl Kesel (O Demolidor) e desenhado por Pat Oliffe (The Amazing Spider-man).

 

Em Dc vs Marvel ou Marvel vs Dc: O conflito do Século temos a batalha que todos os fãs queriam ver: Quem venceria: Marvel ou DC? O primeiro volume da série traz o confronto que todos queriam… E por isso, como muitas das comics da época, foi aberta votação para que os fãs pudessem decidir os vencedores das batalhas, e o resultado seria a edição três.

 

DCvM_5

 

O enredo da série traz uma analogia interessante entre a realidade dos leitores e os quadrinhos: são dois universos que existem em harmonia, pois desconsideram (propositalmente) a existência um do outro; universos irmãos, que se consideram superior ao outro e, no momento que notaram sua existência, decidem se enfrentar, a fim de que apenas um reste. Assim sendo, fazem com que os heróis de seus universos lutem entre si para decidir a briga de Egos. E no meio temos o atrapalhado Axl Asher (que talvez seja a metáfora para o leitor) é o Acessor, um ser capaz de navegar entre os dois universos e tentar organizar tudo, mas como ainda é novato na história não sabe muito o que fazer. E com o resultado do votos dos fãs, A DC já era! Mas, calma lá… Graças ao Espectro e ao Tribunal Vivo, tudo é evitado e o que ocorre na verdade é um universo Amálgamo, onde os dois existem dentro do mesmo universo e acabamos com heróis bizarros como Guarra das Trevas, uma junção de Wolverine e Batman, e SuperSoldado, fusão ente Superman e Capitão America. E graças ao Acesso ter escondido fragmentos dos irmãos em Batman e no Capitão América, é possível trazer os universos de volta com a humanidade que existe dentro dos heróis mais humanos dos dois universos.

 

As outras duas edições são histórias sobre Acesso e sua falta de prática na hora de usar seus poderes. Primeiro temos uma Jubileu apaixonada querendo um encontro com Robin e isso começa a bagunçar os universos. Então o Doutor Mistério se aproveita para tentar dominar a situação e por fim, acaba com a geração de um universo “cópia” Amálgamo definitivo. E depois temos revelações sobre Acesso e agora problemas com a linha temporal entre os universos. Tudo encerra bem e nenhuma das partes lembra do ocorrido e ficamos com mensagem de que nenhuma das partes é melhor que a outra, apenas existem perspectivas diversas a serem exploradas e apreciadas!

 

Apesar de não muito amada pelos fãs, a saga ainda garante muita diversão e o melhor em arte e lutas.

 

Então, se não leu ainda, não perca essa aventura (que para mim já poderia ter uma animação né?). Se já leu, o que achou?

Tweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook
Veja mais!

Comente

Comente pelo site ou Facebook

  1. *