Critica – Mark Felt: O Homem que Derrubou a Casa Branca

Hévila Mendes 10/25/2017

Olá meu povo e minha pova!!

 

O filme conta os passos do vice-presidente do FBI, Mark Felt um homem cuja todos temiam devido a seu poder e informações.  Felt teve seu tapete puxado pela Casa Branca, após a morte do até então presidente do FBI J. Edgar Hoover, colocando outra pessoa para assumir o posto que por sua vez ele lutava por ele. Incomodado por achar que a Casa Branca não tem poder sobre o FBI, ele acaba se tornando secretamente informante dos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein e contribuiu para o desfecho do escândalo Watergate: à renúncia do então presidente americano Richard Nixon.

 

 

Liam Neeson (Silêncio, 2016) dá vida ao protagonista Mark Felt, o “Garganta Profunda”. O ator apesar de ser britânico entrega o personagem. Por ser baseado em fatos reais, o Neeson tinha a difícil missão de sair dos filmes de ação à qual está acostumado a atuar, para nos passar todo o PODER do vice-presidente do FBI de 1972.  Seu introrsamento com os parceiros de cena e os detalhes de como se comportar ao cargo que interpretava é a melhor coisa do filme.

 

Diane Lane (Batman vs Superman) faz o papel de Audrey Felt esposa de Mark Felt. Lane e Neeson possuem uma sitônia interessante, porém as cenas a qual atuava não teve importância nenhuma para o decorrer da trama, foi adicionada apenas para envolver uma certa crise familiar que o Felt passava na época.

 

O filme é monótono demais, até mesmo repetitivo, com cenas totalmente desnecessária para o contexto ao qual o diretor Peter Landesman trouxe no geral. Em um determinado momento, são jogadas algumas informações do nada. Exemplo: A relação de Felt com o Sr. Gray é mostrada inicialmente de uma forma e posteriormente do nada é jogado que eles tiveram uma conversa em um determinado momento, porém como essa cena é mostrada incomodou um pouco.

 

 

 

Para acompanhar o filme é preciso muita atenção, se você sair 2 minutos para pegar pipoca ou até mesmo olhando o celular você perde informações que podem lhe deixar totalmente confuso e entender nada que está se passando no filme. O tempo parece longo na sala de cinema, não a nada no filme que prenda sua atenção, a trilha sonora é básica e a fotografia é OK.

 

Mais um filme de engravatados, porém necessário!! Uma coisa que me chamou a atenção foi o poder da mídia americana. Coisa que não acontece muito aqui no Brasil.

 

 

Nota: 7

Tweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook
Veja mais!

Comente

Comente pelo site ou Facebook

  1. *